Apresentação de negócio para montar uma Peixaria

Peixaria é uma casa comercial especializada na venda de peixes.

O comércio de peixes e frutos do mar é um negócio que está relacionado com a qualidade de vida, por oferecer alimentos tidos como fundamentais para uma alimentação saudável.

Os peixes representam excelente fonte de proteínas, ferro e sais minerais, além de conter ácidos graxos ômega 3, que são elementos que trazem benefícios à saúde, segundo os especialistas.

O Brasil, por ser um país que possui uma vasta faixa litorânea e inúmeros rios, concentra uma das maiores reservas de peixes do mundo. Entretanto, possui um dos menores índices de consumo. O alto custo do transporte que encarece o preço final do produto e os hábitos alimentares, que supervalorizam a carne bovina são fatores que contribuem para o baixo consumo de pescado, entre outros.

Os peixes são fontes de vitaminas A, E, D e niacina, e micronutrientes como ferro, iodo, magnésio, cálcio, sódio, fósforo, potássio, flúor, selênio, manganês e cobalto, além de ácidos graxos essenciais, principalmente em ômega 3.

Mercado

Consumo de peixes nunca foi tão alto no Brasil

Apesar disso, há muito mercado a ser conquistado. O brasileiro come metade do que é recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

O mercado de peixe brasileiro está otimista. Isso porque o aumento da produção tem impulsionado a competitividade do produto frente a outras proteínas. O consumo de peixe nunca foi tão alto como nos últimos anos. Segundo a Peixe BR (Associação Brasileira de Piscicultura), o brasileiro come por ano aproximadamente 10 quilos da proteína. A procura é crescente, mas ainda muito abaixo do recomendado pela Organização Mundial da Saúde, que é de 20 quilos.

“Hoje temos a consciência das pessoas com relação ao produto de boa qualidade, e o peixe, entre as proteínas animais, é o que mais se enquadra dentro de um produto extremamente saudável para a alimentação. Nós estamos numa mudança de geração, que deseja mais saúde. Além disso, nos últimos anos ocorreu uma melhoria significativa no valor do preço do peixe para o consumidor”, diz Francisco Medeiros, presidente executivo da Peixe BR.

A diretora de assuntos comerciais do Sindicato da Indústria da Pesca do Estado de São Paulo, Meg Felippe, acredita que o poder aquisitivo do brasileiro melhorou, o que pode explicar em parte o aumento do consumo.

“Lógico que maior conhecimento e divulgação da proteína e o melhor ordenamento da cadeia produtiva contribuíram para o brasileiro ter mais acesso à proteína. Mas eu acho que o que ajuda a manter o consumo de estável para crescente é essa relação de consumo saudável”, diz ela.

Segundo a Associação Brasileira de Piscicultura, o Paraná é o maior produtor de peixes no Brasil, com 93,6 mil toneladas. Seguido por Rondônia, com 74,7 toneladas, e São Paulo em terceiro lugar, com 65,4 mil toneladas.

Levando-se em conta as regiões, a Norte desponta com a produção de 158,9 mil toneladas, um crescimento de 4,81% sobre 2015. A região Sul vem em seguida, com 152,4 mil toneladas, aumento de 13% em relação ao ano anterior.

O Centro-Oeste foi a terceira região mais produtiva em 2016, com 120,6 mil toneladas. Na sequência estão Nordeste, com 104,6 mil toneladas e Sudeste, com 103,8 mil.

Fonte: Canal Rural 

Fonte: Guia de Consumo Responsável de Pescados – Unimont e Ministério da Pesca e Aquicultura

Mercado Consumidor

O mercado consumidor de uma peixaria situa-se entre residências, restaurantes, supermercados, bares e restaurantes, hospitais, hotéis, etc. O empreendedor deverá definir seu público-alvo para a atividade que desenvolverá.

Apesar do bom desempenho, se o Brasil tivesse condições de produzir mais, com certeza consumiria mais. Isso porque o que é produzido aqui não atende toda a demanda. E todo os anos são importados cerca de US$ 1,3 milhões em peixes.

Os principais exportadores são Chile, Argentina e China. As variedades são salmão, panga vietnã, merlusa e polaka do Alasca.

“Hoje nós temos duas dificuldades, ambas relacionadas a políticas governamentais. A primeira é o licenciamento ambiental. Cada estado tem uma política, e cada uma mais difícil do que a outra. O segundo problema relacionado ao governo federal, especificamente a Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca lá em Brasília. Nós temos solicitações de cessão de uso de águas da União que estão tramitando há mais de 10 anos”, diz Francisco Medeiros, do Peixe BR.

No Brasil, entre os peixes mais consumidos estão tilápia, salmão, camarão, polaka e cação. Mas o consumo ainda varia com picos de vendas. A Semana Santa representa 30%do total de vendas do ano. Já na Época de Natal, chega a representar até 15%. Para 2018, o mercado espera um pequeno crescimento, que pode chegar aos 5%.

Além da riqueza de sabores e variedades, essa tendência de consumo saudável é uma coisa que o brasileiro aprendeu e que ele vai cada vez mais acrescentando na sua rotina.

Fonte: Canal Rural 

Mercado Concorrente

Para conhecer o concorrente, é necessário identificar as empresas que trabalham com produtos semelhantes no raio de atuação em que a nova empresa atuará. A partir daí, realizam-se visitas e examinam-se os pontos fortes e fracos desses concorrentes em relação a:

– Qualidade dos produtos oferecidos ao mercado;

– Preço praticado para cada item;

– Localização da fábrica e pontos de vendas;

– Condições de pagamento: prazos, descontos, etc.;

– Qualidade do atendimento prestado;

– Serviços adicionais: serviços de entrega, reposição de mercadorias, garantias oferecidas, horários de funcionamento, etc.

Após essa análise, devem-se realizar comparações e visualizar se a nova empresa poderá competir com as analisadas, se há espaço para mais um empreendimento do mesmo ramo, e o que a nova empresa terá de diferencial para que os clientes deixem de ir comprar no concorrente, etc.

Numa peixaria, o mix de produtos oferecidos à clientela vai desde os peixes de água doce e de água salgada até os crustáceos e moluscos, filés e postas, além de peixes congelados. Peixes e cortes especiais para sashimi, por exemplo, são exemplos de produtos que também podem ser oferecidos.

Segundo especialistas, uma boa opção para investimento nesse negócio é montar uma “boutique”, que pode ser entendida como uma peixaria caracterizada pela excelente qualidade dos produtos colocados à venda, traduzindo-se em grande diferencial em relação às lojas tradicionais e sem deixar de considerar o público-alvo definido.

Curiosidade sobre a qualidade do Peixe

Mercado Fornecedor

A relação com o mercado fornecedor também deve se basear na sustentabilidade. Podem-se priorizar fornecedores locais como organizações regionais e cooperativas para que a economia da região seja beneficiada com as atividades da empresa, uma prática socialmente justa. Da mesma forma, a preocupação com o meio ambiente também deve ser levada em consideração a partir da escolha por empresas, cujas políticas e diretrizes sociais e ambientais estejam alinhadas com as suas, não sendo somente informações para autovalorização da marca. A questão da sustentabilidade econômica também deve ser observada nas negociações com os fornecedores.

Fatores que devem ser analisados para a escolha de um fornecedor:

  • Distância física;
  • Referências;
  • Custo do frete;
  • Qualidade;
  • Capacidade de fornecimento;
  • Preço;
  • Prazo;
  • Forma de pagamento e de entrega.

Assim resumidamente podemos destacar as seguintes oportunidades e ameaças:

Oportunidades

  • Mercado em crescimento;
  • Associação a comunidades e projetos sociais;
  • Cultura do consumo saudável;
  • Diferenciação pelos serviços.

Ameaças

  • Instabilidade econômica e política no país;
  • Desequilíbrios climáticos;
  • Desconhecimento da origem do pescado;
  • Concorrência;

Fonte: SEBRAE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciar conversa
Em que posso ajudar?
Olá,
podemos ajudar?