Matéria Prima e Mercadoria para Fabricar Alimentos Congelados

A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho:

1. Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado. Obs.: Quanto maior for a frequência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques.

2. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento.

3. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão. Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.

As principais matérias primas para as atividades de fabricação de alimentos congelados são frutas, verduras, vegetais, carnes, farináceos, laticínios, condimentos, óleos, gorduras, ingredientes e aditivos como conservantes, estabilizantes, corantes, aromatizantes, leveduras, essências e embalagens para envolver os produtos prontos. Portanto, os principais fornecedores de matéria prima necessários ao projeto seriam os de alimentos e ingredientes como distribuidores de alimentos resfriados e secos, sacolões, feiras livres, cooperativas de agricultores, frigoríficos, e as indústrias de embalagens, principalmente plástica e de papel.

Conforme citado anteriormente na seção mercado fornecedor, há disponibilidade destes fornecedores em âmbito nacional assim como regional, possibilitando desta forma que o empreendimento conte com matérias primas frescas, sem necessidade de manutenção de grandes estoques, e soluções variadas e personalizáveis de embalagens para seu produto acabado. Gerenciar qualidade e garantia de entrega, em especial de fornecedores locais, é um dos desafios nesta atividade.

Considerando-se que a percepção do cliente sobre o produto gira em torno da qualidade do alimento congelado agregando questões como variedade de sabores e pratos, praticidade da embalagem para preparo e preço a ser pago pelo produto, os cuidados do empresário vão desde decisões internas, como escolha dos fornecedores e design das embalagens, passando pelo processo produtivo como o cuidado na manipulação dos alimentos, à supervisão de questões que não dependem da empresa, como a disposição dos produtos nos pontos de venda. Todo este ciclo é que agregará valor ao negócio e fará com que a escolha do cliente seja pelo produto de sua fabricação ou de um concorrente.

Na escolha das matérias primas para a produção dos alimentos, a fim de atuar como um agente participante de uma cadeia ambientalmente sustentável, pode-se optar por fornecedores de matéria prima orgânica ou produzida de forma sustentável, principalmente frutas e verduras sem agrotóxico e leite orgânico. Outra ação de responsabilidade para com a saúde da população pode ser a opção de reduzir a utilização por conservantes, corantes, acidulantes, que consistem em produtos artificiais para que os produtos se conservem por mais tempo, tenham uma cor mais atraente ou modificadores de sabor, por exemplo.

Para que a empresa posicione seus produtos como sustentáveis, os cuidados que devem ser seguidos giram desde a composição da ficha técnica dos pratos e alimentos a serem produzidos para congelamento, escolha dos fornecedores, a sustentabilidade do processo produtivo, opção pela embalagem, até o meio de transporte utilizado pela empresa ou por seus distribuidores para colocar o produto a disposição de seus consumidores. O processo ideal para que a fábrica de alimentos congelados se configure como sustentável é longo e demanda cautela além da observação de detalhes, porém, a configuração sócio ambientalmente responsável da empresa, quando de conhecimento público, seguramente agrega valor aos produtos.

Importante identificar fornecedores próximos ao seu empreendimento, pois a construção do encadeamento produtivo local abre portas para outras parcerias.

Fonte: SEBRAE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciar conversa
Em que posso ajudar?
Olá,
podemos ajudar?